Radis Comunicação e Saúde
Tempo de leitura: 1 - 2 minutos

Com um total de 1.833 ocorrências em 2019, os conflitos no campo somaram o maior número dos últimos cinco anos, uma média de cinco casos por dia. Para se ter uma ideia da escalada da violência, foram registrados 355 episódios a mais do que no ano anterior. Os dados divulgados em abril (17/4) fazem parte do relatório anual lançado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) que reúne informações sobre a violência sofrida por trabalhadores do campo, incluindo indígenas, quilombolas e demais povos tradicionais.

De acordo com a Pastoral, os números refletem a atual conjuntura política do país. “Ano de ascensão da violência e do ódio contra os pobres, os negros, as comunidades e o povo do campo, protagonizados por figuras públicas, dentre elas, principalmente, o presidente da República”, diz o texto. O documento mostra um aumento de 14% no número de assassinatos; 7% nas tentativas de assassinato; e 22% nas ameaças de morte. Nesse primeiro ano de gestão de Bolsonaro, as disputas por terra impactaram a vida de 859.023 pessoas. No documento de 252 páginas disponível no site da CPT [https://bit.ly/2zinrA3], há ainda análises elaboradas por nomes como Eliane Brum, Sônia Guajajara e Nancy Cardoso, entre muitos outros.

CONFLITOS NO CAMPO / 2019
32 assassinatos
30 tentativas de assassinato
201 ameaças de morte
(Dados: Relatório CPT / 2019)