Radis Comunicação e Saúde
Tempo de leitura: 1 - 2 minutos

A relação predatória e concorrencial dos Planos de Saúde com o SUS foi tema da entrevista que José Sestelo concedeu (16/9) ao site IHU-Unisinos. Doutor em Saúde Coletiva, Sestelo afirma que não há uma verdadeira relação de suplementaridade entre o SUS e os planos e seguros de saúde, nem tampouco uma lógica sanitária sistêmica no funcionamento deste espaço de transações comerciais, como desejava o movimento da Reforma Sanitária. Segundo ele, a lógica dominante é a do "cada um por si". Na entrevista, o sanitarista afirma ainda que “o comércio de planos e seguros de saúde não quer se apresentar, e não se apresenta, como uma ameaça de extinção para o sistema público”, mas pretende “controlar, ajustar e subordinar o funcionamento do SUS à lógica de acumulação privada de capital e concentração de recursos assistenciais para uso preferencial dos seus clientes situados nos estratos mais altos de renda”, e garante que “só é possível vender planos de saúde de uso privativo para tanta gente com uma oferta exclusiva e abundante de serviços porque existe uma articulação íntima com a esfera pública como garantia de última linha”.  Leia a entrevista completa em https://bit.ly/2mJrgIk.