Radis Comunicação e Saúde
Tempo de leitura: 1 - 2 minutos

O Fantástico (12/4) exibiu reportagem sobre uma operação de combate ao garimpo ilegal em terras indígenas, coordenada pelo Ibama. No dia seguinte (13/4), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, demitiu o diretor de Proteção Ambiental do órgão, Olivaldi Alves Borges de Azevedo. Funcionários do Ibama ouvidos sob a condição de anonimato pelo jornal O Globo (14/4) afirmaram que a demissão de Olivaldi, que era homem de confiança de Salles, ocorreu por ele não ter conseguido “segurar” o setor de fiscalização do órgão.

No programa da TV Globo, foram exibidas imagens da megaoperação montada para expulsar invasores que podem espalhar a covid-19 nas terras indígenas do sul do Pará, onde vivem cerca de 1.700 índios. “Em tempos de pandemia, invasão deixou de ser questão ambiental para virar problema de saúde pública”, alertava a reportagem, mostrando que grileiros, posseiros, madeireiros e garimpeiros funcionam como vetores de transmissão da doença. A operação do Ibama — cujos fiscais cumpriram 14 dias de quarentena preventiva e não tiveram qualquer contato com a população indígena — flagrou garimpos em plena atividade abrindo enormes clareiras na selva e contribuindo para disseminar a doença e aumentar o desmatamento na região.