Radis Comunicação e Saúde

Fotografia: Kevin Eduardo/Mídia Ninja.

Tempo de leitura: 1 - 2 minutos

O grito “Vidas negras importam” ecoou como reação ao racismo e à violência contra a população negra, no Brasil e nos Estados Unidos. Ações policiais, em meio à pandemia, têm marcado a vida de jovens negros moradores de favela no Rio de Janeiro. Uma das mortes que ganhou destaque foi a de João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, que foi baleado dentro da casa da tia, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, durante uma ação das Polícias Civil e Militar. A casa foi atingida por mais de 70 tiros. O HuffPost Brasil (24/5) destaca esse como o resultado de uma das 120 operações policiais ocorridas entre março e maio deste ano no estado. “Exigimos responsabilidade e compromisso com os direitos humanos de todos e todas. Nenhuma vida vale menos que a outra”, afirmou Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional no Brasil (20/5).

Após o assassinato de George Floyd, um homem negro que foi imobilizado por um policial branco com os joelhos em seu pescoço, em Minneapolis, nos EUA, uma onda de protestos contra o racismo eclodiu no país em 25 de maio. No vídeo de uma testemunha, durante a abordagem, o policial aperta por cerca de 8 minutos o pescoço do ex-segurança negro de 46 anos, que disse mais de uma vez que não conseguia respirar. A execução de Floyd — detido sob suspeita de tentar fazer uma compra com uma nota falsa de U$ 20 — e suas palavras “não consigo respirar” tornaram-se símbolos de um movimento que tomou as ruas do país denunciando o racismo e a violência contra a população negra. “Os negros estão morrendo em um estado de emergência. Não podemos ver isso como um incidente isolado”, afirmou a ativista Tamika Mallory, em discurso emocionado (30/5). Toques de recolher foram ordenados em diversas cidades, mas os protestos seguiram com lojas saqueadas e prédios e carros queimados. No RJ, um ato pacífico contra a violência policial reuniu faixas com dizeres como “Parem de nos matar”, em 31/5, mas foi dispersado pela polícia com bombas de gás e balas de borracha.