Radis Comunicação e Saúde
Tempo de leitura: 1 minuto

Estudo organizado pelas pesquisadoras Claudia Galhardi e Maria Cecília Minayo, da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz), aponta que Facebook, Instagram e Whatsapp foram as principais mídias sociais utilizadas para disseminar notícias falsas (fake news) sobre o novo coronavírus. A pesquisa analisou denúncias recebidas pelo aplicativo Eu Fiscalizo entre 17/3 e 10/4. A ferramenta pode ser baixada no Playstore e App Store e é útil no combate a conteúdos de desinformação no contexto da pandemia. Na mesma direção de combater a epidemia de desinformação, a Fiocruz Brasília lançou uma campanha com um conjunto de peças para as redes sociais. O material dá dicas simples (mas que muita gente não faz) como: “Leia sempre uma mensagem do início ao fim” e “Só compartilhe informações depois de checar se o conteúdo é verdadeiro”. Acesse as peças em https://bit.ly/34OROd5.

Confira alguns resultados:

  1. 10,5% circulam pelo Instagram, 15,8% pelo Facebook e 73,7% pelo WhatsApp
  2. 71,4% das mensagens falsas que circularam no WhatsApp citam a Fiocruz como fontes de textos