Fotografia: Reprodução.

Tempo de leitura: 1 - 2 minutos

A garotinha entra em desespero porque não consegue arrumar o cabelo crespo da maneira como sua mãe costumava fazê-lo. É a vez do pai aprender a lidar com potes de cremes, elásticos, fitas coloridas, pentes e escovas para ajudar a filha com o penteado. Esse é o mote de “Hair Love”, ganhador do Oscar de melhor curta-metragem de animação na cerimônia de 2020. Com pouco mais de 6 minutos de duração, o filme tem uma força arrebatadora e foi uma das premiações mais comentadas da noite de entrega do prêmio em Los Angeles (9/2) por tratar de representatividade e autoestima de forma delicada, potente e bem-humorada ao mesmo tempo.

“Queremos ter mais representatividade na animação. Precisamos normalizar o cabelo negro”, disse a produtora Karen Rupert Toliver, que subiu ao palco com o diretor do curta Matthew A. Cherry. Ele aproveitou o espaço para fazer campanha por uma lei que pune a discriminação contra o cabelo afro e que já entrou em vigor em alguns lugares dos Estados Unidos. A estatueta concedida a “Hair Love” também fez lembrar a ausência de negros no Oscar deste ano. Como apontou o site Alma Preta (10/2), apenas uma pessoa negra foi indicada aos prêmios de atuação — Cynthia Erivo, protagonista de “Harriet”, história de uma ex-escravizada abolicionista.

O site recordou ainda que a cerimônia de 2019 havia feito história no combate à desigualdade racial com o maior número de prêmios já entregues a profissionais negros. No total, sete estatuetas: Regina King (atriz coadjuvante por “Se a rua Beale falasse”), Mahershala Ali (ator coadjuvante por “Green Book: O Guia”), Peter Ramsey (animação por “Homem-Aranha no Aranhaverso”) e Kevin Willmott (roteiro adaptado por “Infiltrado na Klan”, filme do diretor negro Spike Lee, que também estava concorrendo a melhor diretor no ano passado). Segundo levantamento do portal Adoro Cinema, ao longo de toda a história do Oscar, profissionais negros levaram apenas 44 estatuetas, ou seja, menos de 2% dos troféus entregues. Assista ao belíssimo curta-metragem “Hair Love” premiado este ano aqui: https://bit.ly/37mbgxu