Radis Comunicação e Saúde

Tempo de leitura: 2 - 4 minutos

O Brasil estabeleceu como meta a eliminação do tracoma — doença infecciosa que causa cegueira — até 2020. Nesta edição, o subeditor e repórter Bruno Dominguez relata a incursão de pesquisadores à Amazônia para avaliação das intervenções realizadas para alcance da meta mundial. Apesar de atingir milhões de pessoas pelo mundo e de ser por muitos séculos conhecida, organizações internacionais relacionam o tracoma entre as doenças negligenciadas, já que não atrai nem investimentos da indústria farmacêutica nem o desenvolvimento de técnicas de detecção e diagnóstico, além de pesquisas.

Tracoma é uma doença que atinge as populações mais pobres, sem acesso à água e ao saneamento básico, em condições precárias de habitação, o que favorece a infestação de insetos e vetores. Tracoma é um problema de saúde pública e uma doença da desigualdade social. Talvez isto explique o fato de ser negligenciada. E como outras, é uma negligenciada que cega.

A qualidade de vida tem tamanha importânciade modo que ultrapassa a própria existência

Nesta edição, Radis também apresenta os desdobramentos da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), que retrata a saúde do brasileiro, com análises de pesquisadores da Fiocruz. Os resultados indicam que as pessoas estão agregando muito anos às suas vidas, mas um percentual bastante significativo não está somando qualidade de vida a seus dias, já que viver bem é tão importante quanto viver mais. Segundo Platão, a qualidade de vida tem tamanha importância de modo que ultrapassa a própria existência, de não apenas existir, mas viver bem.

Comer é uma necessidade básica, mas e quando o que se come pode significar desenvolver doenças incapacitantes, com perda na qualidade de vida e até a morte? Os excessos, sobretudo de sal, gorduras e açúcar, dos alimentos de má qualidade e menos nutritivos, são apontados como causa direta no desenvolvimento de diversos agravos à saúde, como diabetes, hipertensão, anemia — provocada por doenças e nutrientes — obesidade, problemas cardiovasculares e renal, entre outros.

A falta de acesso a saúde bucal aparece ainda na PNS e mostra o comprometimento que a ausência de dentição, observada nas camadas mais pobres da população, apresenta para a digestão, comprometida pela mastigação. Dados levantados pelo IBGE registram o crescimento da obesidade mais rapidamente na faixa mais empobrecida, o que demonstra que, para além de uma reeducação alimentar e nutricional que combata os maus hábitos, precisamos combater também as desigualdades, fatores que irão influenciar não só a nossa longevidade e saúde, como também a nossa qualidade de vida atual e futura.

No momento em que forças conservadoras questionam o envolvimento de jovens estudantes no cenário político e social do país, 78 alunos do ensino médio vivem por cinco dias a experiência da vida parlamentar, graças a um programa que contabiliza 10 anos. O relato das impressões do jovem Tiago Marques, um de seus protagonistas, que em entrevista à Radis contou sobre seus dias como deputado, mostra seu estranhamento ao observar o comportamento de alguns parlamentares, e concluir que “a casa do povo” não é tão do povo, já que limita o acesso às galerias pela rampa.

Se ao longo dos últimos cinco anos, estudantes brasileiros ocuparam escolas e universidades Brasil afora, reivindicando mais verbas, mais direitos e mais oportunidades de serem ouvidos, torcemos para que mais do que escolas queiram ocupar também outros espaços. Afinal, o protagonismo estudantil está de volta à cena e precisa ocupar seu lugar.

Esta é a primeira edição de 2020. Estamos num novo ano. E em nome de toda equipe do Programa Radis, desejamos a todos os nossos leitores muita luz e oportunidades para viver um ano mais feliz, com mais justiça social e paz.