Radis Comunicação e Saúde
Tempo de leitura: 1 - 2 minutos

Radis208 voz do leitor 02C. é uma companheira querida. Ela me enviou essa foto ontem. Nela, o seu pai, Sr. D., de 78 anos, está lendo a entrevista que concedi à revista Radis sobre masculinidade, no mês de novembro. Em sua mensagem, ela me conta que a entrevista possibilitou reflexões e diálogos interessantes entre ambos, respeitando os tempos envolvidos nessa relação. A foto e a mensagem me deixaram muito contente por muitos motivos. A discussão sobre masculinidades que faço não é a invenção da roda, ela é o resgate de discursos, de apostas e das materialidades e de novas proposições para avançarmos no modo como a masculinidade tem se organizado, necessariamente questionando e buscando combater sua característica de dominação, violência e morte.

Dialogar com o Sr. D. nessa medida, a partir da sua leitura e das intenções que afirmo com as reflexões das masculinidades negras, das masculinidades GBTQIA+, das masculinidades não adjetivadas e que são performadas diariamente em disputa com o marco dominante, tramam apostas de construção de uma nova realidade. Gerações se encontram. A aposta de que a permanência do modelo de masculinidade dominante constitui um prejuízo global nos coloca face a face. É preciso, então, organizarmos a pauta. Mostrar o que queremos.

C. fez o movimento histórico das mulheres negras dinamizando encontros e orientando os caminhos, pautando o que é necessário para viabilizar mudanças sociais. C. nos coloca em encontro e, admirador que sou das suas proposições, atento para a responsabilidade com que garantiu que seu pai e eu pudéssemos nos falar. [O Sr. D. autorizou o uso da sua imagem para essa publicação.] Construir um caminho para outras masculinidades não pode se dar fora das realidades, resistências e confrontos que já pautamos hoje contra essa estrutura que nos organiza. Ela deve ser de dentro, entre nós, neste tempo, na carne, nos ossos, nos afetos, nas relações, prezando a vida comunitária possível, observando o passando, apostando num mundo possível.

Diogo Sousa, Salvador, BA, no Instagram