Fotografia: Acervo pessoal.

Tempo de leitura: 3 - 6 minutos

Campanha “Se liga no corona!” completa um ano de mobilizações em quatro favelas do Rio de Janeiro

Pelas ruas das favelas da Maré, Manguinhos, Alemão e Morro dos Macacos, na Zona Norte do Rio de Janeiro, o papo é reto: não saia de casa sem máscara e álcool gel. Essa é uma das mensagens difundidas nessas quatro comunidades pela campanha de comunicação “Se liga no Corona!”, que completou um ano em abril. A mobilização de um ano promoveu a distribuição de 2.600 máscaras e cerca de 200 cartazes foram fixados em pontos de ônibus, mototáxi, comércio e associações de moradores dos territórios. Além disso, novos materiais sobre a importância das medidas preventivas foram lançados tanto nas redes sociais quanto em carros de som que circularam nas quatro favelas, difundindo radionovelas e spots sobre a urgência da continuidade do uso de máscaras e da manutenção dos hábitos de prevenção.

Até agora, a campanha já rodou mais de 2 mil cartazes para territórios de favelas do Rio de Janeiro. Também produziu 139 peças gráficas digitais, mais de 50 interprogramas para a grade do Canal Saúde, 24 vídeos (sendo 9 acessíveis na Língua Brasileira de Sinais) e 50 produtos sonoros com mais de 13 mil reproduções e 2 mil downloads. Todos os materiais produzidos pela campanha estão disponíveis para download e distribuídos nas galerias de áudio, vídeos e imagens da página institucional da campanha, no Portal Fiocruz, e também nas plataformas SoundCloud e Spotify.

As ações nos territórios foram viabilizadas por meio de uma parceria entre Fiocruz e Conselho Comunitário de Manguinhos, Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (Ceasm), Redes da Maré, Rede Emancipa de Educação Popular, Sindicato Estadual de Profissionais de Educação do Rio de Janeiro, Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz (Asfoc-SN) e Voz das Comunidades.

Radis traz alguns depoimentos de comunicadores populares e outras lideranças que participaram das ações:

 

#SeLiganoCorona1Ano #AindaNãoAcabou

Aqui no Alemão tem muitas pessoas que não estão utilizando a máscara. Muitas pessoas que realmente largaram de mão. Não sabíamos como seria, se a galera iria abraçar essa ideia. Só que nos surpreendeu muito e, falando a verdade, agora, mil máscaras era pouco. Eu e mais uma equipe de cinco produtores do Voz das Comunidades participamos da ação. Foi realmente muito boa. A gente não esperava que fosse tão positiva. Porque a galera abraçou muito a campanha, realmente estava pedindo: ‘Ah! me dá para o meu pai, para meu avô’, ‘Eu não tenho condições de comprar’. Infelizmente, no nosso dia a dia, existem pessoas que não têm condições de comprar a máscara por mais barata que ela seja. Então vieram muitas pessoas até nós. A gente fez um ponto num local que se chama Grota, um ponto bem movimentado, que alcança quase todas as localidades do Alemão. Vieram pessoas até à gente para falar que essa ação era muito importante para o Alemão. Por mais que seja uma coisa simples.” Geisa Pires, Voz das Comunidade, Alemão

se liga no corona 02

Foi uma ação super bonita e muito também acolhedora por parte da população. A gente vê o quanto isso faz falta, né? É necessário ser feito com regularidade. A gente teve que buscar umas duas vezes mais caixas de álcool gel além das que a gente já tinha e acabou tudo, em uma hora acabou muito rápido. As máscaras também acabaram e depois a gente saiu pela [rua] principal colando e explicando sobre o motivo da prevenção. Também foi muito bem recebida a colação dos cartazes. Inclusive, até foi discutida a possibilidade de uma nova ação em outras localidades.” Anísio Borba, Frente de Mobilização da Maré, Maré

se liga no corona 05

Os registros ficaram muito bonitos. A gente teve uma grande adesão das pessoas, principalmente os mototaxistas. A gente se instalou perto deles e foi muito legal ver eles naquela relação. Interessante ver o quanto que álcool em gel fez diferença na ação. Nas redes sociais a gente teve um bom engajamento. Muitas pessoas clicaram nos links para poder acessar os materiais da campanha.” Mariane Rodrigues, Redes da Maré, Maré

se liga no corona 07

Foi legal, a ação teve uma recepção boa (nas mídias sociais). O melhor resultado que a gente pode avaliar é mesmo na rua porque a informação na internet o pessoal já acessa bastante mesmo, até por essa questão da legitimidade da Fiocruz.” Carolina Vaz, Jornal O Cidadão, Maré

se liga no corona 04

Foi um sucesso. A gente ficou no Amorim [comunidade que pertence a Manguinhos], com aquela galera subindo a rua principal, todo mundo ajudando a entregar as máscaras e acabaram todas as máscaras, tanto que a gente não conseguiu nem ir para outro lugar. Colocamos todos os cartazes lá nos comércios, igrejas e foi bacana assim por causa disso, entendeu?” Fábio Monteiro, Conselho Comunitário de Manguinhos

se liga no corona 08

Foi muito legal ter esse contato. Porque antes eu estava saindo de casa só para ir ao mercado e na padaria. Quando voltava, não ficava conversando. A gente sentia até uma carência de conversar e de mostrar os problemas que estão acontecendo e por isso foi bem legal.” Renata Dutra, Radar Covid-19 Favelas

se liga no corona 11

Nós nos encontramos em frente à associação de moradores do Morro dos Macacos com cartazes da campanha ‘Se liga no Corona!’ falando sobre o uso de máscaras, fazendo conscientização em conjunto também com SEPE que é o Sindicato dos Profissionais de Educação do Estado do Rio de Janeiro, com carro de som passando os áudios do ‘Se liga no Corona!’ sobre vacinação, falando sobre a importância da vacina. Também veiculamos um samba que um dos nossos professores fez que é cantando ‘Vou vacinar vou vacinar vou vacinar’ Vanderlea Aguiar, Rede Emancipa e Sindicato dos Profissionais de Educação do Estado do Rio de Janeiro, Morro dos Macacos

se liga no corona 15

Assista o vídeo sobre a campanha "Se Liga no Corona!", organizado em pontos estratégicos das favelas de Manguinhos, Maré, Morro dos Macacos e Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro

Galeria de fotos