O que perde o Brasil com os sucessivos cortes de verbas para ciência e tecnologia?

Tempo de leitura: 1 minuto

Cientistas brasileiros comentam a decisão de morar em países que investem consistentemente em ensino e pesquisa. O ex-reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Naomar de Almeida Filho, indica um futuro de apagões e crises, culminando com o aumento da dependência em nova ordem internacional que valoriza a inovação. Enquanto isso, projetos de extensão seguem impactando positivamente a vida das pessoas, democratizando os saberes e transformando as universidades públicas em espaços mais inclusivos.

O êxodo científico

Eduardo: em Montevidéu para novos projetos

Em meio às incertezas e aos cortes de verbas, pesquisadores comentam a decisão de trocar o Brasil pelo exterior

“A universidade precisa se recriar como Universidade Popular”

Foto: USP

Contexto atual é de agressão, e não apenas de ameaça, à atividade universitária, diz Naomar de Almeida Filho

Para além dos muros


Em uma das praças mais movimentadas de Juiz de Fora (MG), o “UFJF na Praça” reuniu atividades de extensão, pesquisa e arte promovidas pela universidade. Foto: Gabriela Maciel/UFJF

Como projetos de extensão impactam positivamente a vida das pessoas, democratizam os saberes e transformam as universidades públicas em espaços mais inclusivos