Fechar menu

Fotografia: Victor Moriyama / Greenpeace.

O G1 também divulgou (4/11) a ida de comitiva de atingidos pelo desastre de Mariana a Londres, onde organizaram um protesto, às margens do rio Tâmisa, para denunciar violação de direitos por parte das mineradoras Samarco, das controladoras BHP e Vale, e da Fundação Renova, criada para conduzir as ações de reparação. A viagem incluiu encontros com acionistas da BHP Billiton, parlamentares, organizações não governamentais e imprensa, informou o site. No mesmo dia, a Folha de S. Paulo denunciou que o processo criminal sobre o rompimento da barragem e a investigação interna do governo mineiro sobre eventuais responsabilidades de funcionários públicos nunca foram concluídas — e não têm previsão de encerramento.