Fechar menu

Quase dois milhões a mais de brasileiros passaram a viver em situação de pobreza — dependendo de um rendimento familiar menor que US$ 5,5 por dia ou R$ 406 por mês — entre 2016 e 2017. As informações da Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgadas (5/12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que a pobreza cresceu 4% no período, passando de 52,8 milhões para 54,8 milhões de pessoas.

A extrema pobreza — nesse caso, a soma da renda familiar dividida pelo número de pessoas fica abaixo de US$ 1,90 por dia e equivalia a R$ 140 mensais — aumentou 13%, atingindo 15,3 milhões. Do total de brasileiros, 7,4% estavam abaixo da linha de extrema pobreza, em 2017; em 2016, esse percentual era de 6,6%.

Ao G1 (5/12), Leonardo Athias, analista da Coordenação de População e Indicadores Sociais do IBGE, apontou a crise no mercado de trabalho, com aumento do desemprego e da informalidade, a recessão econômica intensa dos dois anos anteriores, além do corte de investimentos no Bolsa Família, como motivos para o empobrecimento da população. “Quem já era pobre ficou mais pobre. Mas teve gente que ficou pobre e não o era antes”, disse o pesquisador.

72,5%

a mais recebeu um trabalhador branco em relação a um profissional negro (soma de pretos e pardos) em 2017, em média, segundo divulgou em 5/12 o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua. Enquanto uma pessoa branca teve rendimento médio de R$ 2.615, um negro recebeu R$ 1.516. Quase metade (46,9%) dessa população está na informalidade; o percentual entre brancos é de 33,7%.

6,2 milhões

de brasileiros estão desocupados (população com idade para trabalhar, mas que não exerce atividade remunerada). A taxa de desocupação subiu de 6,9%, em 2014, para 12,5%, em 2017. É maior entre mulheres (14,6% das que estão em idade para trabalhar não exerciam atividade remunerada, comparada a 10,9% dos homens) e negros (14,7%, comparado a 10% entre brancos).

 

Pobreza

Renda até US$ 5,5 por dia ou R$ 406 por mês
26% da população
54 milhões de pessoas


Extrema pobreza

Renda até US$ 1,90 por dia ou R$ 140 por mês
7% da população
15 milhões de pessoas