Radis Comunicao e Sade

Exclusão e resistência no samba da Estação Primeira de Mangueira, campeã do Carnaval carioca

Tempo de leitura: 1 minuto

Brasil, meu nego /
Deixa eu te contar /
A história que a história não conta
O avesso do mesmo lugar /
Na luta é que a gente se encontra /

Brasil, meu dengo /
A Mangueira chegou /
Com versos que o livro apagou /

Desde 1500 /
Tem mais invasão do que descobrimento /
Tem sangue retinto pisado /
Atrás do herói emoldurado /

Mulheres, tamoios, mulatos
Eu quero um país que não está no retrato

Brasil, o teu nome é Dandara
E a tua cara é de cariri
Não veio do céu
Nem das mãos de Isabel
A liberdade é um dragão no mar de Aracati

Salve os caboclos de julho
Quem foi de aço nos anos de chumbo
Brasil, chegou a vez
De ouvir as Marias, Mahins, Marielles, malês

Mangueira, tira a poeira dos porões
Ô, abre alas pros teus heróis de barracões
Dos Brasil que se faz um país de Lecis, jamelões
São verde e rosa as multidões