Menu

Afirmações de que o Holocausto de seis milhões de judeus, na Segunda Guerra Mundial, não aconteceu podem parecer absurdas para a maior parte das pessoas com o mínimo de conhecimento histórico, mas fazem parte de um conjunto de negacionismos científicos e revisionismos históricos que distorcem evidências para sustentar “mentiras em forma de verdade”. Para o historiador e professor da Universidade de São Paulo (USP), Marcos Napolitano, negacionistas se aproveitam de um ambiente de questionamento das verdades científicas para construir a legitimidade de suas posições. “Trata-se de uma desinformação organizada e voltada para promover ideologias extremistas ou fundamentalismos, quase sempre de extrema direita. O limite legal é quando o negacionismo promove preconceitos, ódios sociais ou práticas que levam à sabotagem de medidas sanitárias como acontece na pandemia”, afirmou em aula inaugural na COC/Fiocruz (19/3).

Segundo ele, a origem da palavra está ligada a correntes ideológicas, sobretudo de extrema-direita, que negam o Holocausto Judeu na Segunda Guerra Mundial. Se a dúvida faz parte do pensamento científico, o objetivo da anticiência não é ampliar o debate, mas propagar mentiras, alerta o professor. “Uma das estratégias do negacionismo é entrar no debate não para ampliar o conhecimento, mas para destruir”, constatou — por isso, “ele deve ser enfrentado com coragem”. Abaixo, alguns exemplos conhecidos na história e na ciência.

1) Holocausto

São afirmações de que o genocídio de judeus na Segunda Guerra não teria acontecido. De inspiração neofascista, põe em dúvida que o governo nazista de Adolf Hitler colocou em prática a perseguição deliberada aos judeus com a finalidade de extermínio.

2) “A Terra é plana”

Com vários canais no YouTube, supostos “debatedores” da ciência utilizam teorias pseudocientíficas para negar a evidência de que a Terra é redonda.

3) Ditadura militar

Cada vez mais frequente, o revisionismo histórico da ditadura militar — iniciada com o golpe de 1964 — considera que a intervenção dos militares foi uma medida para evitar o “avanço do comunismo” no país. São ações que “celebram” a ditadura e buscam interditar e suprimir as memórias de torturas e crimes cometidos pelos militares.

4) Aquecimento global

Os negacionistas do clima não acreditam que a ação humana tenha interferência nas mudanças climáticas. Por trás desse argumento, está o interesse no desmonte de políticas ambientais de conservação (veja na página 21).

5) Escravidão

É um revisionismo que busca minimizar a desumanidade do tráfico, comercialização e exploração da mão de obra escravizada no Brasil.

Sem comentários
Comentários para: Negacionismo na história

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anexar imagens - Apenas PNG, JPG, JPEG e GIF são suportados.