Menu

Em “Eu, empregada doméstica – A senzala moderna é o quartinho de empregada” (Editora Letramento), a rapper e arte-educadora Preta Rara compartilha a experiência de muitas mulheres que, por falta de opção, tiveram que exercer a função de trabalhadora doméstica, denuncia a falta de reconhecimento da profissão e revela a luta pela garantia dos direitos  trabalhistas e pelo respeito nos postos de trabalho. A autora também propõe humanizar a existência das profissionais. “Mulheres trabalhadoras domésticas desse Brasil, foi tão difícil chegar até aqui, quantas de nós perdemos a vida dedicando a nossa existência em prol de pessoas que querem somente a nossa força de trabalho. Existimos e resistiremos cobrando nossos direitos. Ainda chegará um dia que nosso trabalho será reconhecido e, assim, o quartinho da doméstica deixará de ser a senzala moderna”, relata.

Sem comentários
Comentários para: Senzalas sobrevivem

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anexar imagens - Apenas PNG, JPG, JPEG e GIF são suportados.

Leia também

  1. Livro
Em seu livro mais recente, o filósofo Bruno Latour parte de uma perspectiva ecológica para compreender as transformações de nossa época. “Onde aterrar? Como se orientar politicamente no antropoceno” (Editora Bazar do Tempo), lançado em 2020, traz uma análise do contexto geopolítico contemporâneo, partindo da conexão entre fenômenos raramente relacionados: o afrouxamento das regulamentações governamentais, […]
Próximo

Radis Digital

Leia, curta, favorite e compartilhe as matérias de Radis de onde você estiver
Cadastre-se

Revista Impressa

Área de novos cadastros e acesso aos assinantes da Revista Radis Impressa
Assine grátis