Menu

Cinco comunicadores populares. Cinco modos de narrar a pandemia de covid-19. Em 2022, quando o Brasil e o mundo ainda se arrastavam para fora de uma das maiores crises sanitárias da história, Ana Clara Xavier, Ana Paula Godoi, Elaine Lopes, Priscila Barbosa e Rudson Amorim foram selecionados no edital “Como se proteger do coronavírus — Programa de Reportagem”, uma parceria entre o Observatório de Favelas e a Fiocruz.

Durante três meses, entre setembro e novembro, eles participaram de um ciclo de debates e oficinas com representantes de movimentos sociais e especialistas das áreas de saúde e comunicação. Durante as aulas, conversaram sobre divulgação científica; ética na pesquisa e reportagem; fotografia; audiovisual; estrutura da pauta; entrevista; e produção textual. Colaboraram com essas três últimas etapas os jornalistas Juliana Passos, da revista Poli, e Ana Cláudia Peres e Luiz Felipe Stevanim, respectivamente, repórter e editor de Radis.
Como resultado, os comunicadores produziram uma série de reportagens que foram publicadas no site do Observatório de Favelas e, a partir deste mês, podem ser conferidas também nas páginas e no site de Radis.

Em “Casa de Família”, matéria que abre a série, Priscila Barbosa narra como a chegada de um vírus expôs trabalhadoras domésticas a mais vulnerabilidade e insegurança. Ana Paula Godói conta como operações policiais comprometeram a vacinação na Maré, Zona Norte do Rio de Janeiro, na reportagem “Por favor, não atire! Estamos tentando salvar vidas no enfrentamento à covid-19”. Enquanto isso, Rudson Amorim escreve sobre a necessidade de pensar estratégias de mobilização e inclusão para homens negros em territórios populares — e mostra com dados e testemunhos que esse público é o que menos acessa os serviços de saúde.

Na quarta reportagem, Elaine Lopes parte de sua própria experiência para relatar os desafios e estratégias dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) a fim de fazer com que moradores da Maré completassem o esquema vacinal. E em “Meu país Pavuna”, um misto de diário de campo com crônica jornalística, Ana Clara Xavier demonstra como ações culturais e de solidariedade fizeram toda a diferença no enfrentamento ao vírus em um bairro da Zona Norte do Rio. São narrativas que trazem a potência dos territórios em relatos autorais sobre um momento grave demais para ser esquecido.

“Meu país Pavuna!”

“Meu país Pavuna!”

Um relato de como a cultura foi palco de resistência comunitária durante o período mais difícil da pandemia

Vacinação ativa

Vacinação ativa

O relato de uma agente comunitária de saúde e comunicadora popular sobre a busca das equipes de saúde para vacinar a população da Maré, no Rio de Janeiro

Homens negros invisíveis na vacinação

Homens negros invisíveis na vacinação

As desigualdades no processo de imunização para o homem negro na pandemia de covid-19

“Por favor, não atire!”

“Por favor, não atire!”

Como operações policiais nas favelas do Rio de Janeiro dificultaram a vacinação contra a covid-19

Casa de família

Casa de família

Como a pandemia de covid-19 afetou a vida e os direitos de trabalhadoras domésticas

Comentários para: Narradores da pandemia

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais

  1. Comunicação Popular

Vacinação ativa

O relato de uma agente comunitária de saúde e comunicadora popular sobre a busca das equipes de saúde para vacinar a população da Maré, no Rio de Janeiro

RADIS Comunicação e Saúde

Av. Brasil, 4036, sala 513, Manguinhos, Rio de Janeiro/RJ
CEP 21040-361 Telefone (21) 3882-9026 | E-mail radis@ensp.fiocruz.br

Siga-nos nas Redes Sociais

Este website é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.

@2022 Radis Comunicação e Saúde.