Menu
  1. Pós-tudo

Depois da ponte aérea

O ato de fugir do país onde nasceu traz consigo uma terrível sensação de perda. As cenas no aeroporto de Cabul nos últimos dias provocaram uma onda de compaixão em todo o mundo pelo medo e desespero de milhares de afegãos. Mas quando essas imagens desaparecerem de nossas telas, ainda haverá milhões que precisam da ação da comunidade internacional.

Ao instar o Talibã e todas as outras partes a defenderem os direitos humanos, especialmente os de mulheres e meninas, o secretário-geral da ONU declarou que o mundo estaria assistindo. Mas até agora, nosso foco tem sido muito estreito. O esforço de evacuação sem dúvida salvou dezenas de milhares de vidas, e esses esforços são louváveis. Mas quando a ponte aérea e o frenesi da mídia acabarem, a esmagadora maioria dos afegãos, cerca de 39 milhões, permanecerá dentro do Afeganistão. Eles precisam de nós — governos, organizações humanitárias, cidadãos comuns — para ficar com eles e manter o curso.

Cerca de 3,5 milhões de pessoas já foram deslocadas pela violência dentro do país — mais de meio milhão desde o início deste ano. A maioria não tem acesso a canais regulares para buscar segurança. E em meio a uma emergência evidente, com milhões precisando desesperadamente de ajuda, a resposta humanitária dentro do Afeganistão ainda está desesperadamente subfinanciada. 

Alguns afegãos inevitavelmente precisarão buscar segurança além das fronteiras do país. Devem ser capazes de exercer seu direito de buscar proteção internacional e as fronteiras devem ser mantidas abertas para esse fim. Os países vizinhos do Afeganistão que recebem refugiados há décadas precisam de maior apoio. Agora, eles podem enfrentar novos fluxos de saída do Afeganistão enquanto continuam a hospedar refugiados afegãos cujas perspectivas de retorno diminuíram, bem como outros que podem ter partido por motivos familiares, de negócios ou médicos, mas que agora não podem mais retornar com segurança.

Por quatro décadas, o Paquistão e o Irã receberam milhões de refugiados afegãos. Enquanto um grande número voltou para casa depois de 2001 com esperança de um futuro melhor, esses dois países ainda hospedam cerca de 2,2 milhões de refugiados afegãos registrados — quase 90% do total. À medida que continuamos a defender a abertura de fronteiras, mais países devem compartilhar essa responsabilidade humanitária, principalmente devido à situação crítica enfrentada pela República Islâmica do Irã ao enfrentar o desafio da pandemia.

Os refugiados também precisarão de soluções de longo prazo. A grande maioria pode retornar voluntariamente quando as condições forem adequadas e no momento de sua escolha. Em comparação, o reassentamento em países terceiros — uma chance para os mais vulneráveis ​​recomeçarem suas vidas em um novo país — é uma opção para apenas uma pequena proporção dos refugiados do mundo. No entanto, mesmo para este grupo, após 40 anos de conflito implacável no Afeganistão, bem como outras crises de deslocamento em todo o mundo, o número de locais de reassentamento já era lamentavelmente insuficiente. Mais opções de reassentamento são extremamente necessárias. Eles são extremamente importantes, não apenas para salvar vidas, mas também como uma demonstração de boa vontade e apoio aos países que assumiram a maior responsabilidade pelos deslocados.

Enquanto as pessoas em todo o mundo dão as boas-vindas aos afegãos em suas comunidades e lares, não podemos esquecer aqueles que foram deixados para trás. Devemos atender às necessidades humanitárias críticas no Afeganistão e nos países da região, e nossa resposta deve ser robusta e urgente. Ficar ao lado do povo do Afeganistão significa apoiar todos eles, quer tenham buscado segurança no exterior ou estejam recolhendo pedaços de suas vidas em casa. Aqueles que lutaram por um lugar nos voos de evacuação do aeroporto de Cabul são os mesmos que podem se aproximar de nossas fronteiras nas próximas semanas e meses. Mostramos simpatia e solidariedade aos afegãos nos últimos dias. Vamos continuar fazendo isso. Este é o momento de realmente cumprirmos o apelo à cooperação internacional expresso na Convenção sobre Refugiados de 1951, reafirmada no Pacto Global sobre Refugiados.

As viagens aéreas para fora de Cabul terminaram, e a tragédia que se desenrolou não será mais tão visível. Mas ainda será uma realidade diária para milhões de afegãos. Não devemos nos afastar. Uma crise humanitária muito maior está apenas começando.

■ Alto-comissário da ONU para Refugiados, publicado na Agência da ONU para Refugiados em 30/08
Sem comentários
Comentários para: Depois da ponte aérea

Seu endereço de e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anexar imagens - Apenas PNG, JPG, JPEG e GIF são suportados.

Leia também

  1. Pós-tudo
Junto com sua carga viral, o SARS-CoV-2 promoveu uma incalculável quantidade de bytes de informações em circulação pelas redes. Batizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) de infodemia, essa inundação de conteúdos dificulta encontrar e discernir fontes idôneas e orientações confiáveis entre outras que falseiam e omitem dados para atender a determinados interesses — as […]
  1. Pós-tudo
Em dezembro de 2021, a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) propôs uma nota técnica que inclui a eletroconvulsoterapia (ECT) como tratamento da agressividade no transtorno do espectro autista, o que provocou reação de diversas instituições e grupos da sociedade civil organizada. Marcia Baratto, doutora em ciência política pela Unicamp, especialista em […]
  1. Pós-tudo
A defesa do direito à saúde e o fortalecimento do Sistema Único de Saúde estão no centro de projeto político que defendemos e lutamos para eleger Lula em 2022. Reduzir o piso constitucional da Saúde, asfixiando sua capacidade de investimento e de ampliação do acesso é um ataque direto aos direitos conquistados na Constituição Federal, […]
  1. Pós-tudo
Entre 26 e 30 de setembro realizou-se em Washington (EUA), a 30ª Conferência Sanitária Pan-americana, que reúne a cada cinco anos todos os ministros da saúde das Américas para, entre outros pontos de agenda, eleger o diretor da Organização Pan-americana da Saúde (Opas) para um mandato de cinco anos. Carissa Etienne, médica da Dominica, está […]
Próximo

Radis Digital

Leia, curta, favorite e compartilhe as matérias de Radis de onde você estiver
Cadastre-se

Revista Impressa

Área de novos cadastros e acesso aos assinantes da Revista Radis Impressa
Assine grátis